A regra básica é calcular em percentuais entre 0,5% a 1% do valor de venda do imóvel. Contudo, diante das transformações que o setor imobiliário vem sofrendo, esse preceito deixou de valer e encontrar o ponto de equilíbrio é o grande desafio.

     A melhor forma de avaliar é através da comparação de dados do mercado, analisando os valores de locação praticados na região onde o imóvel se encontra. Se for um apartamento, importante saber o valor que uma outra unidade também está sendo alugada; caso seja uma casa, saber o valor de aluguel de outros imóveis no bairro para ter uma ideia. Lembrando que, enquanto o prédio mantém unidades similares, as casas possuem diferentes estruturas.

     Localização do imóvel, infraestrutura do bairro - comércio próximo, farmácias, padarias, escolas, meios de transporte público e segurança da região podem ser um plus a mais e valorizar o aluguel.

Com os dados já coletados,  é preciso obter um valor médio, uma média ponderada, visto que os imóveis são sempre diferentes uns dos outros.

Esta média pode ser feita por aproximação ou “à sentimento”, se for uma avaliação dentro do nível de rigor Expedito; por homogeneização de fatores, se for no nível Normal;  ou por inferência estatística, para o nível Rigoroso.

     O método avaliativo é baseado na análise de informações sobre preços de imóveis similares ao que está sendo avaliado. É imprescindível que os avaliadores confiram as condições em que são feitas as transações a fim  de verificar se os preços não estão divergindo do mercado.

     Na ausência de dados para comparação, podem ser empregados os métodos da Renda, Residual, Involutivo e do Custo de Reprodução, que buscam o valor através de outras evidências. São aproximações, a serem utilizadas apenas em caso de necessidade.

Avaliação de imóveis para locação